domingo, 30 de junho de 2013

QUANDO UMA MÚSICA TOCA A ALMA DE UMA CRIANÇA

Nietzsche certa vez disse que "temos a arte pra não morrer da verdade". Toda vez que a vida me mostra sua verdade mais dura, lembro disso e peço ajuda pra ela, a arte.  Sorte que tenho muitos amigos artistas que deixam a minha vida ainda mais iluminada. Numa dessas vezes, em uma das tantas internações hospitalares do meu querido rei Arthur (meu filho mais novo), ele estava inquieto, não queria dormir, desviava os olhinhos da linha média. Eu então comecei a colocar para ele ver todos os vídeos que eu tinha no meu netbook, assim ao menos ele teria um foco para visualizar. Videos vão, videos vem e um desses videos deixou ele muito calmo. Foram noites depois desse achado que o Arthur passou acordado, mas muito calmo. Lá se vai mais de dois anos desta foto, que tirei naquela internação hospitalar, em maio de 2011. 
Depois disso foram muitas e muitas noites em casa em que achávamos que o Tutuks estava com dor, mas que antes de medicá-lo, eu ligava o netbook e colocava o vídeo e tudo se acalmava. Comecei então a usar o vídeo para estimular posturas e o sustento cefálico, porque o baixinho sempre buscava com o olhar e tentava levar a mãozinha no net.  
 
Depois foram outras tantas internações hospitalares, muitas vezes em Unidade de Terapia Intensiva e a canção lá, ajudando a despertar do coma, ajudando a provocar o sorriso.  Hoje mais uma vez, o reizinho estava incomodado, mais uma vez hospitalizado. Quando já não sabia o que fazer para acalmá-lo, liguei o net e coloquei a canção. Não foram nem cinco minutos até que tudo começasse a se acomodar e ele se tranquilizasse.  
É impressionante o poder desta canção, o quanto o acalma, o quanto lhe traz foco, o quanto ele parece apropriar-se da situação sempre que a escuta. Não sei explicar, só sei que é assim, magicamente assim. Sou grata à esta canção, a seu compositor e à família dele, que por causa dessa história entrou arrebatadoramente nas nossas vidas. 
Você deve estar louco para saber que canção é essa, não é mesmo?!! Surpreendentemente não é o que chamam de música infantil (eu não gosto muito dessa divisão). Essa canção se chama "Faça desse drama", do queridão e talentosíssimo Vinícius Calderoni. A abaixo segue o vídeo e a letra da música. 
FAÇA DESSE DRAMA

Queira cara ou não queira
Junte agora a cara, jogue noves fora
Vida não é brisa, coma pela beira
Brasa mora agora
Deixa estar, vai passar


Queira cara ou não queira
Tome a saideira
Cara, beba agora
Pois demora hora, uma vida inteira
Para a vida leve
Revelar, relevar


Onde a curva do amor findar
Corte que não quer fechar
Ande onde a onda te levar
Se naufragou, faça desse drama sua hora
Faça disso a hora de recomeçar
Para conviver com a dor
Para a dor também saber passar
Se já passou, dê sorriso à cara
E vá embora


Queira cara ou não queira
Junte agora a cara, jogue noves fora
Vida não é brisa, coma pela beira
Brasa mora agora
Deixa estar, vai passar
Queira cara ou não queira
Tome a saideira
Cara, beba agora
Pois demora hora, uma vida inteira
Para a vida leve
Revelar, relevar


Onde a curva do amor findar
Corte que não quer fechar
Ande onde a onda te levar
Se naufragou, faça desse drama sua hora
Faça disso a hora de recomeçar
Para conviver com a dor
Para a dor também saber passar
Se já passou, dê sorriso à cara
E vá embora


E ao voltar a caminhar, só então poder ver
Queira cara, ou não queira
Que já dá pra levantar vôo...
Quem precisa acreditar no que o olho diz ver
Seja brasa, brisa ou beira
Só vai ser aonde quer for...

domingo, 23 de junho de 2013

PIQUENIQUE VIRTUAL (III)

O CONVITE ....



Vamos celebrar a chegada do solstício de inverno e a semana de "histórias para mudar o mundo" para ampliar nossas relações literárias e pessoais?!! A ideia é a seguinte, todo mundo que puder e quiser participar do encontro deverá fazer um momento bacana de leitura durante o final de semana (vale sábado, vale domingo, vale a hora que for). Se a criançada estiver por perto, melhor. Mas se não houver crianças, vale leitura de adulto também. Mas tem que ser leitura da ordem do "frui" (para usar Rubem Alves), ou seja, uma leitura para ser apenas desfrutada, daquelas “sem serventia”, só prazer!! Vale pipoca, chimarrão, bolinho de chuva, cafezinho, pinhão, chazinho. Só tem uma regra: tem que ser divertido (e literário, é claro)!! Quem quiser registrar o momento para depois compartilhar aqui na página do evento, será legal!! Pode ser registro fotográfico e também (ou então) um breve relato contando qual foi a leitura que fez, porque assim já compartilhamos ideias literárias também. Não precisa ser a leitura de um livro inteiro, pode ser um conto, uma poesia. Pois quem estiver muito ocupado com tarefas ou leituras da ordem do "uti", pode apenas fazer uma pausa para relaxar, ler um poema e mandar boas energias literárias para o universo. Nós acolheremos!! Mas tem que compartilhar para a gente poder receber mais de pertinho a energia, ficar com vontade de trocar livros e ideias. Quem ficou com vontade, bota o dedo aqui!
(A imagem do convite deste piquenique é do Andre Neves e ilustra o livro "Uma história sem pé nem cabeça", de autoria do Luciano Pontes.

Eu (Léla), comecei a reler um livro que ganhei de presente e que me enche de alegria por muitas razões. É um livro diferente porque seus labirintos são tantos que eu volta e meia me perco por um deles e preciso trabalhar muito para retornar. Este livro chama-se "Livro dos Labirintos", do Patricio Dugnani. Alguns contos são indizívelmente lindos. "Os contos deste livro narram segredos que não existem. Aqui se encontram as histórias de um mundo reinventado, histórias de verdades imaginadas, com as quais o autor ilude ora seus leitores, ora sua própria trama, ora a si mesmo, como num jogo de espelhos. Há a história dos sonhos que se repetem, da partícula de deus, dos guerreiros de Xian, das sete maravilhas do mundo, do último mistério de Poe ou da rua que nunca acaba... Enfim, labirintos!"
* Essa postagem está inacabada, mais adiante (quando a turbulência da H1N1 passar) eu posto a participação de todo o grupo de piqueniqueiros virtuais.































































 


domingo, 9 de junho de 2013

PIQUENIQUE DA LEITURA DE SANTA CRUZ DO SUL (II)

Hoje tivemos "roda de leitura" no nosso Piquenique da Leitura, aqui em Santa cruz do Sul!! Descobrimos também a "Biblioteca da Odara" e a Odara, dona da biblioteca que vai passear na praça do SENAI. A Andrea, mãe da Odara (que conhecemos durante o piquenique) contou que elas também chamam as crianças para a leitura lá na Praça do SENAI, perto de onde moram e já combinamos de visitá-las!! Foi um piquenique muito especial, de muitos encontros, novas amizades, novas mantas colorindo o chão, novas dinâmicas de leitura. Perfeito!