terça-feira, 23 de maio de 2017

CURSO BÁSICO DE FORMAÇÃO DANÇANTE PARA FADAS E ELFOS

Hoje eu tive o prazer e o privilégio de focalizar algumas Danças Circulares Sagradas na Universidade onde leciono. Foi uma experiência ímpar, cheia de cuidado de si e do outro. O grupo era grande e haviam pessoas de diferentes áreas de atuação, todos muito curiosos para saber do que se tratava a tal "meditação ativa". Foi lindo ver todos ficando até o final da atividade com a mesma curiosidade e desejo de estar com o outro. Disse ao grupo, então, que mudaria o nome da oficina, que passaria a se chamar "Curso Básico de Formação Dançante para Fadas e Elfos".
 


 
 

 
 
 



sexta-feira, 19 de maio de 2017

NOSSAS RELAÇÕES EM RISCO DE EXTINÇÃO


Pedro Altério é um talentoso músico paulista e um homem sábio, apesar de ainda jovem. Na semana passada, em meio aquele caos de opiniões cheias de razão,  que invadiram as redes sociais, sobre o depoimento do ex presidente Lula ao juiz Sergio Moro, Pedro Altério ponderou: “As distorções estão tão evidentes que, um lado comemorou a atuação de Lula durante o depoimento, o outro lado comemorou dizendo que Moro colocou Lula em "seu lugar". Resumindo, "esquerda" e "direita" ficaram felizes com o depoimento, por razões opostas. Não é possível ambos os lados estarem certos. Como pode o depoimento causar reações tão contrárias e adversas? As pessoas acreditam apenas no que querem acreditar! No fim, a verdade não passa de uma escolha”. No fim, a "verdade" não passa de uma "escolha"
Concordo plenamente com Pedro Altério, pois é mesmo impossível que todos tenham razão. Aquelas pessoas nas redes sociais, porém, tão cheias de suas razões, tinham certeza absoluta das suas verdades, das verdades que escolheram para si, independente dos motivos.
O fato é que nas redes sociais todos assumem papel de juízes do mundo, todos tem opinião sobre tudo. Vejo que quando compartilho algum conteúdo com mais de um ou dois parágrafos, muitas pessoas não leem, mas se acham no direito de opinar, a partir das suas verdades. E se o título sugerir algo diferente do seu modo de pensar, muitas já aproveitam para opinar, ou destilar seu veneno, no comentário abaixo da postagem.
Se continuarmos por este caminho nossas relações sociais vão desaparecer. Segundo o neurobiólogo chileno Humberto Maturana, “só são sociais as relações que se fundam na aceitação do outro [...] e que tal aceitação é o que constitui uma conduta de respeito”. Para este estudioso, nem todas as relações humanas são sociais, pois para ele só são sociais as relações humanas que se fundam no amor.
O amor de que fala Maturana, no entanto, não é aquele dos filmes e novelas, ou aquele cantado nas canções românticas, o amor é sim a emoção que se constitui nas nossas condutas cotidianas, quando somos capazes de aceitar o outro e nos relacionar com ele assim como ele é, diferente de mim e cheio de possibilidades.
Talvez tenhamos que (re)aprender a olhar, escutar e perceber o outro, sem julgamentos e com “freio de mão puxado”, para que não atropelemos ninguém.   Como seria bom se fôssemos capazes de ter, dia a dia, um pouco mais de paciência e que cantássemos, como um mantra, a linda canção de Lenine, que diz: “enquanto o tempo acelera e pede pressa/ eu me recuso, faço hora, vou na valsa/ a vida é tão rara”. E que no embalo da canção fôssemos capazes de celebrar a vida, a minha, a sua, a de todos nós, porque “mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma/ até quando o corpo pede um pouco mais de alma/ a vida não para”. fim, a "verdade" não passa de uma "escolha"
No fim, a "verdade" não passa de uma "escolha"

quarta-feira, 10 de maio de 2017

SABENDO MAIS SOBRE CIÊNCIA

Ouvir minha amiga Clara Costa Oliveira falar é sempre uma grande alegria. Nestes muitos anos que a Clara vem ao Brasil eu acompanho seu trabalho, que me faz pensar e repensar a vida. Hoje mais uma vez tive o privilégio de ouvi-la numa belíssima aula sobre "Epistemologia da complexidade e investigação", uma fala que deveria ser ouvida por todos que se dedicam à pesquisa científica, independente da perspectiva que escolha seguir.
Clara é minha amiga e para mim sua amizade é o mais importante, muito além do seu extenso Lattes. Mas para quem ainda não à conhece, seu percurso é longo e lindo. Para ser bem sucinta, Clara Costa Oliveira é Licenciada em Filosofia e Mestre em Epistemologia pela UCP. Doutora em Filosofia da Educação e Professora Associada em Pedagogia pela UMINHO (Portugal), tem inúmeras publicações em Portugal e no exterior. É pesquisadora em centros e grupos de Pesquisa no Brasil e Portugal. Maior orgulho dessa "portuguesa da gema"!!


quarta-feira, 19 de abril de 2017

PARTICIPANDO COM O TIÃO DA SEMANA LITERÁRIA 2017 DA ESCOLA CENECISTA CAROLINO EUZÉBIO NUNES

A tarde de hoje foi de festa, de partilha e de encontro com os pequenos da Escola Cenescista Carolino Euzébio Nunes, em Charqueadas. Como é gratificante chegar numa escola e ser acolhida com o tamanho carinho que fui. Mais ainda ao ver os trabalhos lindos que foram desenvolvidos a partir do meu livro "Não grita, Tião!". Ver que o Tião ganhou vida na imaginação das crianças, que colocaram outros personagens nas suas representações, que deixaram o Tião crescer e virar médico, laçador de cavalos, pai de família. Me emocionei muito mesmo, pois quando escrevi a história o fiz de peito aberto e muito despretensiosamente, porque queria brincar com uma música que minha mãe cantava para mim na infância. Acho que foi a minha despretensão que permitiu essa aproximação literária com o universo das crianças, que hoje me acolhem tão bem. Foi bom demais da conta passar a tarde a brincar com as palavras, acompanhada dos pequenos e seus professores, do "Tião" e também do "João" e do "Juarez" (personagens da história "Tudo por um pacote de amendoim", da minha querida amiga Gladis Barcellos), que na versão desta tarde receberam a ajuda do Tião para resolver sua situação familiar!! Ficam os registros fotográficos, o carinho e desejo do reencontro!!
O primeiro encontro foi com os pequenos do pré e do 1º ano
Muitos registros para guardar na memória afetiva
Depois foi a vez de conversar e narrar
para os pequenos do 2º e 3º ano
 
Me emocionei quando visualizei nas redes sociais
das professoras os trabalhos que vinham
sendo realizados em sala de aula
O trabalho com o texto literário, quando é criativo, 
só faz ampliar o desejo e a curiosidade
Ser acolhida na chegada com o Tião
entre os personagens de Monteiro Lobato,
não tem preço!! 
 
Foi lindo ver a criatividade das crianças
ser respeitada e valorizada!!
 
Olha lá o gritão brincando com os personagens
do Sítio do Pica Pau Amarelo!!
 
E o tempo passou e o Tião cresceu
E novas histórias foram inventadas!!
 
Encontro com a escritora tem que ter autógrafo, né?!
Só autógrafo, não
Fotinhos também!!
E foto com os profes, claro!!  
 
Que as sementinhas plantadas germinem e floresçam!!
 
"A mim, me salvam as crianças.
De tanto escrever para elas, simplifiquei-me".
(Monteiro Lobato)

terça-feira, 18 de abril de 2017

TIÃO FAZENDO PIQUENIQUE NA ESCOLA EDUCAR-SE

Hoje é o Dia Nacional do Livro Infantil!! Hoje celebramos o aniversário de Monteiro Lobato!! - E embora o aniversário seja dele eu também ganhei presente. Que delícia chegar para trabalhar e passar por essa cena, um Piquenique Literário de acolhida na porta de entrada da Escola Educar-se, em Santa Cruz do Sul. E o Tião lá, gritando e fazendo a festa!! Salve a boa literatura feita para crianças de todas as idades!!
 

sexta-feira, 7 de abril de 2017

SIMPLES ASSIM 1: MUITO PRAZER!!



As ondas das águas de março que chegam fechando o verão me trouxeram o convite para escrever esta coluna semanal. A primeira coluna chega abrindo o mês de abril, mês do aniversário de nascimento Hans Christian Andersen e de Monteiro Lobato e também do aniversário de despedida de Miguel de Cervantes e William Shakespeare. Um mês especial para todos que acreditam que ler é não só importante como fundamental para a constituição de um ser humano capaz de fazer escolhas mais conscientes para sua vida.

Perdão, cheguei sem me apresentar!! Que feio isso!! Eu sou a Valéria, mas todos me chamam de Léla. Moro em Santa Cruz do Sul, mas nasci em General Câmara. Sou mãe de dois meninos incríveis e também sou fisioterapeuta, pedagoga, professora universitária, contadora de histórias, escritora e focalizadora de Danças Circulares. Não exatamente nessa ordem, mas trabalho e me divirto com tudo isso e tudo isso me constitui. Também gosto de fazer bolos e inventar receitinhas!! Falo isso que é para você saber que nas nossas conversas semanais tudo pode aparecer - e pode acontecer de tudo!!

Mas cheguei falando nos aniversariantes ilustres do mês porque em abril celebramos o Dia Internacional do Livro Infantil (02 de abril), o Dia Nacional do Livro Infantil (18 de abril) e a Semana do Livro (18 a 23 de abril). As datas não são aleatórias, foram escolhidas para festejar seus aniversariantes, mas também para lembrar o quão fundamental é a leitura desde muito cedo na vida de nossos pequenos. Somos diferentes dos outros animais porque nos desenvolvemos não apenas através das nossas habilidades manuais, mas através da linguagem e da capacidade de nos comunicarmos uns com os outros de modo mais articulado e eficiente que os outros animais. A leitura, quando faz parte da vida, amplia o vocabulário, potencializa o raciocínio, melhora a capacidade de argumentação, aproxima as pessoas (porque vira assunto para conversa), desperta a curiosidade. Até o final do mês voltaremos a falar sobre a leitura e sobre nós, seres humanos. Vamos juntos, conversando sobre a vida, que é simples, embora a gente insista em complica-la!!

Nesta primeira coluna, gostaria de agradecer ao Matheus Haetinger e à equipe do Jornal de Candelária por confiarem no meu trabalho. E dizer um SEJA BEM VINDO, a cada um e a todos que desejarem viajar um pouquinho nos caminhos que vou tomando pelas veredas que a vida vai me levando!! SIMPLES ASSIM!!

domingo, 2 de abril de 2017

DIA PARA LEMBRAR DE UM ALIMENTO FUNDAMENTAL PARA NOSSOS PEQUENOS

"A gente não quer só comida, a gente quer comida diversão e arte".  "Comida" é uma conhecida música da banda brasileira "Titãs", gravada em 1987. Há muitas formas de alimentar o corpo e não tenho dúvida de que a arte, em todas as suas formas, é um alimento absolutamente necessário, se desejamos ser seres humanos mais sensíveis, empáticos e solidários. Hoje é celebrado em todo o mundo o Dia Internacional do Livro Infantil. A data escolhida não é aleatória, no dia 2 de abril comemora-se o aniversário de nascimento do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen. Neste dia, além do aniversário de Andersen, lembramos também da importância da literatura infantil enquanto alimento tão fundamental quanto constitutivo de sujeitos mais sensíveis e críticos de seu tempo. O legado de Andersen para a literatura é inestimável e a contribuição dos contos infantis para o formação de um espírito crítico, reflexivo, mais criativo, amoroso e solidário é sem igual.   
Em 2009, quando visitei a cidade de Faro, em Portugal, o Museu Municipal de Faro estava com uma exposição belíssima, toda inspirada na obra de Hans Chistian Andersen. Presente para o corpo e para a alma!! Que o Dia Internacional do Livro Infantil seja o disparador para muitas leituras e muitas reflexões!!

sábado, 25 de março de 2017

FRASES DE SÉRIES QUE GOSTO: ONCE UPON A TIME

Nos seriados de TV encontramos frases de efeito que por vezes, de fato, nos causam algum efeito. Algumas são citações, outras são falas de personagens. Eu, particularmente, adoro registrar esses fragmentos que ficam muitas vezes escondidos. Compartilho hoje a fala do personagem Rumpelstichen - o senhor das trevas, da série Once Upon a Time (Temporada 5, episódio 2).
"Enquanto os senhores das trevas existiram uma coisa sempre nos limitou: a atração da família que sempre quisemos proteger; as amizades, que tornam impossível esquecer quem costumávamos ser, a magia, que ameaça desfazer os nossos feitos mais maléficos. E, o pior de tudo, o amor que se recusa a desistir de nós! Por mais que tentemos, não podemos escapar do alcance da luz!"

segunda-feira, 20 de março de 2017

POR UM MUNDO COM MAIS GRIÔS!!

Eduardo Galeano conta que para os índios do Novo México, o narrador, o que conta a memória coletiva de seu povo, seja ele homem ou mulher, está sempre grávido, sempre “brotado de pessoinhas”. O Griô (ou Griot), que também é um narrador, é um guardião de memórias, guardião da cultura de um povo, e da palavra, que para ele é sagrada. Vivemos um tempo em que a palavra deixou de ser sagrada. Aceleradamente vamos perdendo o sentido do sagrado, da ética e do respeito pelo outro. Mas, neste tempo de incoerências, polaridades, violência e intolerância, há que se encontrar guardiões que remem contra a maré, para não permitir que nossas raízes sejam arrancadas e para manter o solo fértil. É verdade que as palavras transformam o mundo, para o bem e para o mau. Foram transformadoras as palavras de Gandhi, como também foram as de Hitler. A retórica egocêntrica vem destruindo de amizades à possibilidade do pensamento crítico.  Vivemos uma epidemia de umbigos inchados, dilatados, doloridos e doentes!! Vivemos um tempo carente de líderes nos quais pudéssemos confiar e nos inspirar. Nos faltam líderes políticos, espirituais, poéticos, musicais. Nos faltam griôs!!!
O griô é um contador de histórias, mas é também um guardião da história de seu povo. É imperativo conhecermos a nossa história para que saibamos para onde ir, para fazermos boas escolhas, ou ao menos escolhas razoáveis. É necessário respeitar a cultura e a multiculturalidade. É preciso conhecer-se e (re)conhecer o outro para que possamos ouvir antes de julgar, para que possamos tentar compreender sem apedrejar. O mundo está carente de gente que saiba exercer de modo amoroso o ofício do humano.
No dia 20 de março celebra-se em todo o mundo o Dia Internacional do Contador de Histórias. O ofício do Contador de Histórias vai além do lugar onde se contam histórias ou do modo como se escolhe narrar. Há aqueles que abraçam a arte narrativa compreendendo que o seu fazer vai além do entretenimento, há aqueles que nasceram com espírito de griô e que colocam na sua arte o resgate da cultura, do folclore, das raízes, dos saberes, dos afetos.
O mundo está carente de griôs!! Se você conhece um Contador de Histórias, destes que carrega no seu fazer o espírito das histórias, saiba que você vive mais perto de um mundo onde existe espaço para todos, assim como para os bons afetos, para o resgate do humano pela palavra e pelo encantamento pelo olhar.
Léla Mayer
Professora Universitária, Escritora e Contadora de Histórias

sábado, 18 de março de 2017

COMEMORANDO O DIA INTERNACIONAL DO CONTADOR DE HISTÓRIAS NA GARATUJA MUNDO LÚDICO (2017)

 
Hoje a tarde foi de histórias lá na Garatuja Mundo Lúdico!! Tão bom narrar para os pequenos e com os pequenos, quando estes participam da narrativa como se fossem personagens das histórias! É lindo também ver os olhos atentos dos adultos, quando se permitem ser crianças, durante o tempo que dura o era uma vez. Em parceria com a Garatuja Mundo Lúdico celebrei o Dia Internacional do Contador de Histórias do modo como melhor se pode celebrar essa data, compartilhando histórias e o encantamento pela palavra. Cheia de gratidão pela participação de cada pequeno e de cada pai, mãe, avó, dinda e tia, que acompanharam seus pequenos nessa aventura deliciosa junto com o Tião, o João e o Juarez - personagens das histórias que narrei!! Gratidão ao Cássio e a Kelen, que são grandes parceiros de aventuras lúdicoliterárias!!
 
* Hoje foram narradas: “Não grita, Tião!!” (Léla Mayer, Edunisc) e “Tudo por um pacote de amendoim” (Gladis Barcellos, Ed. Paulinas).

terça-feira, 14 de março de 2017

DANÇA CIRCULAR, RODA DE CONVERSA E BOLO REDONDINHO

Como é bom estar junto, aprender junto com o outro!! Ser professora foi minha primeira escolha profissional (depois de ter passado a fase de querer ser bailarina e caminhoneira ao mesmo tempo - coisas da infância). Depois escolhi ser fisioterapeuta e me apaixonei também pela reabilitação sensóriomotora. Mas nunca abri mão de ser professora. Ser professora na formação de futuros fisioterapeutas é uma realização profissional dupla. Mas poder ser professora na formação profissional sem abrir mão de ser focalizadora de Danças Circulares, contadora de histórias e eu mesma, com minhas habilidades afetivo-culinárias, é estar além da realização profissional.
Hoje o tema da aula na disciplina de Fisioterapia Neurofuncional I foi aprendizado motor, controle motor e erros do controle motor. Optei por oportunizar aos meus alunos vivências motoras novas e para isso escolhi o caminho das Danças Circulares. Foi tão bacana!! Foi divertido e ao mesmo tempo uma experiência nova para eles. Depois de dançarmos algumas músicas, sentamos (em círculo, é claro!) para conversar sobre a experiência e a entrelaçarmos com a Fisioterapia Neurofuncional. Muitas costuras foram feitas durante esta verdadeira roda de conversa, porque é preciso conhecimento sólido de anatomia, fisiologia, biomecânica e cinesiologia para ser um bom fisioterapeuta. Mas há que se ter comprometimento e amorosidade para colocar todo esse conhecimento em prática com outro ser humano! Penso que vivências que signifiquem a convivência só fazem ampliar a formação acadêmica, porque amorosidade não se opõe ao fazer científico!!